11/06/18 Pequenos Negócios # , , , ,

Aplicativos que facilitam a vida do microempreendedor

Aplicativos que facilitam a vida do microempreendedor

Gerenciar vendas, horas de funcionários, organizar finanças etc. Muitas são as tarefas para um microempreendedor que, às vezes, tem que administrar a sua empresa sem a ajuda de muitos colaboradores. Para resolver esses pequenos dilemas existe a tecnologia! No artigo dessa semana vamos apresentar alguns aplicativos que existem para auxiliar a rotina do microempreendedor.

Com tantas opções no mercado, o professor da Escola Superior de Empreendedorismo do Sebrae-SP, Jaercio Barbosa, afirma que é preciso saber quais são as necessidades específicas da empresa.

“Com tantas opções, se você tentar solucionar todos os problemas de uma só vez, provavelmente não resolverá nenhum. Por isso, foco é fundamental”, Barbosa.

Após ver o problema, é recomendável procurar os aplicativos que tenham maior quantidade de usuários, comentários e boas avaliações.  “Caso o empresário não tenha indicação direta de alguém que confie, uma das melhores alternativas para começar a usar é ler os comentários e avaliações dos próprios usuários. Poder usá-lo em vários dispositivos facilita muito a vida do empreendedor e ajuda a dar segurança, pois as informações estarão com ele no momento em que precisar. Assim, é importante verificar se o aplicativo tem uma versão mobile e para o computador”, indica.

 

Planejamento e comunicação interna

Quando tratamos desse assunto uma ferramenta indicada é o Trello.  Sistema de quadro virtual para gerenciamento de tarefas que segue o método “kanban”.  Permite por meio da criação de diferentes quadros e colunas adicionar cards das tarefas. Facilitando a visualização das demandas pelos colaboradores.

Para a coordenadora do Centro de Empreendedorismo da FAAP, Alessandra Andrade, outra boa opção para melhor organização são as agendas compartilhas do Outlook e até mesmo do e-mail da Apple.

“O empreendedor consegue não só verificar seus e-mails no computador ou no smartphone como também pode compartilhar a agenda com outras pessoas, otimizando o tempo”, afirma.

Agora se o problema é armazenamentos e envio de arquivos, uma das opções mais utilizadas é o Google Drive. Serviço oferecido pelo Google que possibilita que os arquivos sejam compartilhados com colaboradores por meio da conta do Google. O gestor que utiliza essa ferramenta pode decidir o nível de permissão de cada pessoa. Escolhendo quem pode visualizar, editar e comentar.

“O Google Drive é muito completo e fácil de gerenciar para guardar os arquivos na nuvem. Na realidade, todas as ferramentas do Google são muito fáceis e acessíveis, como o Google Docs – quando pessoas selecionadas podem editar o mesmo documento ao mesmo tempo – e o Google Forms, que cria formulários”, afirma Bruno Portela, professor associado de Marketing da Fundação Dom Cabral.

Todas essas plataformas estão disponíveis para aparelhos com android, iOS e nos computadores. E o acesso é gratuito. Não perca tempo! Comece a utilizá-las e veja qual é a melhor para o seu negócio!

Gostou do nosso artigo? Quer saber mais sobre o mundo empresarial? Venha tomar um café conosco! Entre em contato!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Posts recentes

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
28/05/18 Dicas e Guias # , , , , , ,

Sua empresa está preparada para a revolução tecnológica?

Sua empresa está preparada para a revolução tecnológica?

Se você é empresário provavelmente já ouviu falar que precisa estar atualizado e preparado para lidar com as inovações tecnológicas que aparecem no mercado cada vez mais competitivo. Realmente essa informação está correta, desde a primeira revolução industrial, o mercado se modifica constantemente, e as empresas que não se preparam ficam para trás. Mas, com tantas mudanças, em qual patamar a sua organização se encontra?

Entre 1760 e 1840 aconteceu a primeira revolução industrial. Época que foi impulsionada pela máquina a vapor e pela construção de ferrovias e das rodovias. No final do século XIX e início do século XX com a produção em massa, desenvolvimento da energia elétrica e as novas técnicas de administração e produção veio a segunda revolução industrial. Em 1960, com a evolução da tecnologia da informação e comunicação, vem a terceira revolução industrial. Período que se estende até hoje e que causa espanto para muitos. Afinal, as mudanças são imensas com o advento dessas tecnologias, como a alteração de toda a dinâmica de trabalho, a forma de relacionamento entre os clientes e as organizações. Que pedem mais transparência, redução de processos etc.

Mas, o que as pessoas não perceberam é que, com tantas mudanças vindas dessas revoluções, já estamos vivendo uma nova fase: a 4º Revolução Industrial (revolução digital). E que com ela temos inúmeras oportunidades e novos desafios para as empresas. As tecnologias que estão sendo desenvolvidas como Inteligência Artificial, Big Data, IoT (Internet ofThings), Robótica etc, podem trazer impactos que muitas vezes não calculamos. Isso, devido à velocidade da transformação de tudo. Ou seja, a evolução científica está evoluindo exponencialmente. Enquanto que no passado, evoluía de forma linear.

Mas, como a minha pequena empresa pode se preparar para tudo isso?

Muitos empresários de pequenos negócios podem estar imaginando “como posso estar preparado para o uso de novas tecnologias se não tenho recursos nem para fazer investimentos básicos?”. Sabemos que certas informações podem assustar mesmo. Por esse motivo, é preciso compreender que a nova revolução tecnológica está impactando as empresas de forma heterogênea. Afinal, em cada país as “revoluções industriais” acontecerão de forma diferente.

O que explica porquê há regiões e empresas em estágio mais avançado no uso das novas tecnologias, e outras regiões e empresas que ainda estão bem atrasadas. O primeiro passo então, é fazer uma análise do seu negócio e do ambiente em que está inserido. Para assim, detectar como está em relação ao uso de novas tecnologias e a capacidade de inovação dos produtos e serviços.

E junto com isso, proporcionar uma cultura organizacional que incentive a criatividade e inovação tecnológica. É necessário que as pessoas se adequem aos novos tempos, sendo preciso muitas vezes mudar a visão, a missão, os valores, a estrutura de poder etc.  Ou seja, o objetivo deve ser a transformação da empresa. Para que ela seja mais ágil, flexível, dinâmica e criativa.

Em conjunto com tudo isso, vem a busca por conhecer as novas tecnologias que podem impactar a sua empresa. Cabe aí a utilização de novas ferramentas de Open Innovation, inovação aberta, envolvendo pessoas e instituições externas do chamado ecossistema de empreendedorismo e inovação, para potencializar a capacidade de inovação do seu negócio (PORTAL TERRA).

E por fim, tenha em mente por meio do planejamento estratégico da sua empresa, o que você quer para o futuro. Assim, fica mais fácil saber qual desenvolvimento tecnológico é necessário para sua organização. Afinal, não é toda empresa que irá utilizar robôs e inteligência artificial. Mas, esses e outros recursos existem e estão aí. Basta estar preparado para utilizar a tecnologia a seu favor.

Gostou do artigo? Quer compartilhar mais conhecimento a respeito? Tome um café conosco! Aqui no Meepe estamos engajados para fazer os negócios crescerem e se desenvolverem em conjunto com as novas tecnologias. Entre em contato!

Posts recentes

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
16/10/17 Startup # , , , , , ,

Startup: Por Onde Começar?

Startup: Por Onde Começar?

Startup: Por Onde Começar?

É comum ouvirmos o termo "startup" atualmente no mundo empresarial, mas existem, no entanto, algumas divergências em relação à definição exata deste conceito.

Há especialistas que afirmam que qualquer companhia iniciante no mercado se encaixa nesta modalidade. Enquanto outros dizem que é preciso ter sido fundada com custos baixos e ter crescimento acelerado com uma grande lucratividade.

De acordo com especialistas em startups existe uma definição de Steve Blank que é mais atual e que parece satisfazer o mercado.

 

Uma empresa é considerada uma startup quando ainda está em busca de um modelo de negócios viável. Que seja repetível e escalável.

 

*Ser repetível: significa ser capaz de vender o mesmo produto para todos os clientes com potencialidade ilimitada. Sem muitas adaptações ou customizações. Como, por exemplo, o modelo pay-per-view que vende o mesmo filme a qualquer um que queira pagar por ele sem influenciar na disponibilidade do produto.

 

*Ser escalável: consiste em crescer em receita significativamente. Sem influenciar no modelo de negócios e com custos crescendo mais lentamente acumulando lucros.

Mas por onde começar?

Atualmente, mais brasileiros tem se interessado por ter o próprio negócio. Buscar por soluções que auxiliem a alcançar este sonho. Existem no país pessoas com ideias inovadoras e pouco capital de investimento, que acabam por desistir do seu negócio por não saberem como levar o projeto adiante.

 

Veja os três passos importantes para o desenvolvimento de uma startup

1 – Ideação

Como em qualquer projeto, tudo começa com uma boa ideia. Nessa fase, conversar com diferentes pessoas, trocar informações e participar de eventos nos ajuda a saber se estamos no caminho certo. Não busque fazer só “o que está dando certo no mercado”. Procure avaliar bem suas competências, habilidades, talentos e paixões, pois o que mais conta é sua capacidade de execução do projeto.

 

Participar de grandes eventos sobre startup garantem um maior conhecimento do assunto. Confira o artigo e saiba mais sobre o Startup Weekend.

 

Antes de dar os próximos passos na construção e implementação da ideia certifique-se com os clientes reais, “saia do prédio” para conversar com eles e aprender mais sobre a fatia de mercado que pretende alcançar. Isso poupará tempo e dinheiro nas próximas etapas do projeto.

De forma geral, uma boa startup precisa basicamente de quatro competências bem definidas. Gestão, tecnologia, operações e vendas. No entanto, é pouco provável que apenas uma pessoa  exerça todas as funções simultaneamente, por isso, busque formar uma equipe qualificada que te ajudará a complementar suas habilidades.

2 – Operação

Para a segunda etapa do projeto é importante ter um acordo de sócios. Uma das principais causas de falhas em startups está no desentendimento entre sócios.  Mariana Vasconcelos, CEO da Agrosmart, aconselha elaborar dois contratos, um deles sendo oficial onde deve estar claro quais os direitos e deveres de cada sócio, as regras de saída da empresa, entre outros. O outro contrato é um informal, para conhecer um ao outro, quais as expectativas, as crenças e os limites de cada um.

Um dos principais desafios de uma startup em fase inicial é encontrar um modelo de negócios funcional para o projeto. Esse modelo é formado por um conjunto de elementos, como proposta de valor, clientes, parceiros, atividades, recursos, fontes de receita e estrutura de custo. Para encontrá-lo é necessário realizar diversos testes a partir de pesquisas preliminares, pré-venda, ofertas não automatizadas, dentre outras formas.

Conheça suas métricas, compreenda quais as mais importantes para o seu negócio e utilize-as como direcionador para ajustar e otimizar seu modelo de negócio. Entretanto, cada tipo de negócio possui uma métrica mais adequada. Como por exemplo, em e-commerces, a taxa de conversão de visitantes em compradores, por canal de marketing utilizado, bem como seus respectivos custos de aquisição.

Após escolher o melhor modelo de negócio, é importante considerar que pode ser necessário algum investimento ao longo da vida da startup, pois permite aceleração maior da empresa . Assim como selecionar investidores que ofereçam, além do capital investido, “know-how” para ajudar no negócio.

3 – Tração

Construa uma cultura e valorize sua equipe. Um dos pontos mais importantes de uma startup em fase de crescimento é a manutenção de sua cultura. Que é capaz de atrair profissionais não apenas por dinheiro, mas por um propósito em comum.

Após ter delimitado o modelo de negócio adequado para sua startup e definido a cultura da organização, não tenha medo de expandir seu projeto. O CEO da Pipefy Alessio Alionço afirmou que a marca já nasceu global desde o primeiro dia e que isso permitiu atingir um número de usuários em um mercado muito maior e acessar recursos também em nível global.

 

Conheça a startup que surgiu em Bauru com objetivo de melhorar as condições de saúde da população no nosso artigo.

 

Lembre-se,  o objetivo de uma startup é deixar de ser uma startup. Possuir uma rede de contatos ativa que possibilita trocar informações e experiências com profissionais do mercado. O Meepe Business Networking tem o propósito de aproximar e criar negócios por meio de relacionamento entre os empresários. Venha fazer parte desta rede e fortalecer os seus negócios! Meepe Conectando Pessoas e Negócios.

Gostou do artigo? Continue acompanhando a nossa página que sempre estamos compartilhando conteúdos pertinentes para a sua vida profissional!

Entre em contato
e saiba como participar da Meepe Networking
contato@meepe.com.br

Posts recentes

Entre em contato
e saiba como participar da Meepe Networking
contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses