19/04/18 Dicas e Guias # , , , ,

A importância dos seguros empresariais!

A importância dos seguros empresariais!

Você já parou para pensar nos imprevistos que acontecem com a gente e como eles podem atrapalhar a nossa vida se não estivermos preparados para lidar com essas situações, como roubos, acidentes, óbitos etc.? Da mesma forma que é importante um cidadão comum estar preparado para lidar com esses tipos de situações, é necessário que as empresas também estejam asseguradas para lidar com os imprevistos da vida!

De acordo com o portal de notícias, Estadão, contratar um seguro é uma maneira de proteger um patrimônio, um bem. O seguro, como o próprio nome diz, surge da necessidade de segurança das pessoas diante das incertezas e riscos que corremos em nosso cotidiano. São várias as opções de seguro hoje em dia: automóveis, residenciais, vida, acidentes pessoais, educacionais etc. Essa proteção tem um custo, chamado prêmio. É o que se paga para não correr o risco de perder algo muito valioso e para suprir uma grande perda material ou pessoal.

Você deve estar se perguntando qual a necessidade para uma pequena e média empresa de ter um seguro. Afinal, não há tantos bens como em uma empresa grande. Saiba que é errado pensar assim. Já pensou se uma eventualidade colocar todo o seu negócio na falência?

O bom empresário é aquele que tem uma visão macro do seu negócio, não tendo o foco somente em seus afazeres e transações. Mas sim em manter-se protegido para se acontecer algum imprevisto.

Hoje, no mercado de seguros, há várias opções que combinam com os diferentes tipos de modelos de negócios. Cabe ao empresário e a empresa de seguros saber quais são os maiores riscos.

Por exemplo, se um incêndio acontece em uma empresa do setor têxtil provavelmente esse negócio estará totalmente acabado. Diferente de uma empresa de tecnologia, em que os seus “bens” estão em outras coisas. Ela perde financeiramente pelos equipamentos, mas seus serviços podem estar armazenados em nuvem.

 

No Brasil, um tipo de seguro comum é a proteção de patrimônio, em que o objetivo é manter a empresa longe de riscos. Algumas categorias são obrigatórias, como incêndios e acidentes de trabalho. Já outros são opcionais como o seguro de roubos, reembolso de despesas emergências etc.

Os seguros obrigatórios, precisam existir para que a organização funcione normalmente. Afinal, incêndios e multas trabalhistas têm grande poder de inviabilização do negócio. Já os demais, existem para proporcionar maior segurança para o empresário.

Outro seguro comum é o de responsabilidade civil, que existe para o ressarcimento de danos relacionados ao patrimônio. Geralmente o plano tem o objetivo de cobrir todas as despesas de reparo.

 

Ou seja, as necessidades são distintas, então os seguros também são. Há seguros que prestam suporte aos sócios caso algum venha a falecer, que asseguram os bens, as possíveis ações trabalhistas etc.

Para o profissional Luciano Tane, os seguros são uma forma de assegurar tanto o proprietário do empreendimento como sócios e colaboradores. Se a empresa tem um seguro e algum funcionário sofre um acidente é possível que ele tenha o ressarcimento sem que as finanças da empresa sejam comprometidas, por exemplo.

Ainda de acordo com Luciano, muitas empresas pecam ao não fazer esse tipo de investimento e não dão a importância para situações inesperadas que podem acontecer e prejudicar o futuro das organizações. Principalmente das pequenas.

Por esse motivo, é importante conhecer a sua empresa e procurar um seguro que atenda as suas necessidades!

 

Se você tem interesse por um seguro empresarial e quer saber mais informações, procure uma corretora que realize uma análise bastante sensata acerca da situação atual de sua organização, de seu modo de administrá-la e das implicações prováveis em caso de um grande imprevisto financeiro.

Gostou do artigo? Aprendeu mais uma dica do mundo empresarial? Continue acompanhando a nossa página! Se você quer saber e discutir mais sobre o cotidiano das pequenas e microempresas, venha tomar um café conosco! Entre em contato!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
02/04/18 Dicas e Guias # , , ,

A importância da inteligência emocional no mercado de trabalho

A importância da inteligência emocional no mercado de trabalho

Nos últimos anos, com o aumento da competitividade do mercado de trabalho, cada vez mais os profissionais estão preocupados com a sua formação intelectual. No entanto, nos processos seletivos, as recrutadoras estão priorizando algumas características que vão além da formação técnica. Por exemplo, a capacidade de lidar com diversas emoções de forma saudável e produtiva. Conheça em nosso artigo o conceito de inteligência emocional.

Cobranças, trabalho em grupo, pressão etc., muitas são as situações que um profissional tem que lidar. Com o aumento do cenário de dificuldade econômica, esses problemas têm aumentado e a exigência é ainda maior com as pessoas. Principalmente com as que estão procurando uma recolocação no mercado. Mas, quais são as exigências dos gestores? Qual o perfil do profissional ideal?

Não estamos aqui para passar uma lista de recomendações ou um checklist do que é um profissional perfeito. Afinal, cada um e cada área de atuação tem as suas especificidades e exigências. Mas, uma das características que tem feito as pessoas se destacarem é a inteligência emocional.

De acordo com uma pesquisa da consultoria norte-americana TalentSmart, o QE (Quociente Emocional), tem tido um poder mais decisivo do que o QI (Quociente de Inteligência), uma vez que 90% dos colaboradores mais bem avaliados por seus empregadores têm uma boa gestão de suas emoções. Ou seja, lidar com emoções tem sido uma característica valorizada.

 

Mas, o que é inteligência emocional?

Para os especialistas inteligência emocional, é a capacidade de saber entender e administrar suas emoções e as das pessoas que estão a sua volta. Para Daniel Coleman, um dos idealizadores do conceito, a inteligência emocional implica cinco capacidades básicas: descobrir as emoções e os próprios sentimentos, reconhecê-los, geri-los, motivar-se e gerir as relações pessoais.

Por exemplo, a coordenadora de RH na Luandre, Carolina Silva, fala de umas das situações recorrentes em seu dia a dia. Com a dificuldade de conseguir um emprego, profissionais não estão sabendo lidar com as entrevistas de admissão. De acordo com a coordenadora, “Grande parte dos profissionais que são chamados para processos seletivos já perderam a conta de quantos currículos enviaram e por quantas entrevistas e dinâmicas passaram. Pela frustração de não terem conseguido uma vaga ainda, muitos perdem a esperança e tornam-se agressivos”.

Carolina ainda comenta que atitudes como essas fazem as pessoas terem menos chances de recolocação.  “Já chegamos a ver casos de candidatos que discutiram com as consultoras por estarem impacientes, alegando que já passaram por muitas seleções”. Essa postura, segundo ela, pode impedir sua continuidade no processo, pois revela uma tendência à falta de equilíbrio emocional. “Procuramos sempre um perfil equilibrado e motivado, independentemente da situação”, afirma.

Ou seja, saber lidar com emoções está sendo uma condição primordial para o mundo empresarial. Principalmente porque uma pessoa com “mal comportamento” tem poder de influência sobre os demais.

Saiba mais sobre esse assunto em nosso artigo: Colaborador desmotivado pode contaminar uma equipe

Então, se em uma entrevista o recrutador vê a falta dessa característica,o profissional perde todas as chances.

Afinal, lidar com situações de crises tem se tornado algo comum. Então todos os colaboradores precisam ter esse equilíbrio.

 

Veja algumas dicas!

Todo problema psicológico deve ser tratado por quem entende do assunto! Cada pessoa tem a sua história e seus problemas! Então, caso você tenha tristeza ou um problema emocional grave só há um remédio: especialistas!

Mas, em alguns casos algumas atitudes melhoram o dia e a convivência com os colegas de trabalho, como:

 

Autoconhecimento –  você reconhece que em determinadas situações você lida com raiva? Seja sincero com você mesmo e assuma essa situação! Tente encontrar uma solução para passar por esses entraves da melhor forma possível.

Empatia – o seu colega de serviço está estressado? Já pensou em se colocar no lugar dele e tentar entender o motivo por ele estar assim? Toda reação tem um porquê! Procure compreender para ajudar!

Controle de emoções – o mundo não é um mar de rosas. Todos nós passamos por diversas situações embaraçosas, mas saber controlar os sentimentos de alegria e tristeza faz você olhar o problema de forma madura e fica mais fácil de encontrar uma solução.

 

Pense nisso!

Gostou do artigo? Recomende para a sua rede de contatos e continue acompanhando a nossa página! Quer saber mais sobre o mundo empresarial e como os empresários estão lidando com as diferentes situações de seus negócios? Venha tomar um café conosco! Entre em contato!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
19/03/18 Dicas e Guias # , , , ,

Aprenda a gerenciar melhor o seu tempo e seja mais produtivo!

Aprenda a gerenciar melhor o seu tempo e seja mais produtivo!

Quantas vezes você já foi interrompido quando estava fazendo alguma tarefa em seu ambiente de trabalho? Provavelmente uma centena de vezes, não é mesmo? Você já parou para pensar que esse tipo de situação atrapalha totalmente o planejamento que você fez para o seu dia? Em nosso artigo vamos falar sobre uma pesquisa realizada por uma professora da University of Califórnia de Irvine, que apresenta como as distrações e interrupções nos atrapalham diariamente. Continue lendo o nosso artigo para saber mais!

Você está concentrado e o seu colega te chama para checar uma informação? Parece que depois demora um certo tempo para a concentração voltar. De acordo com a professora Gloria Mark, especialista em efeitos de distrações e interrupções no escritório, a jornada de trabalho tem mais a ver com minutos do que com horas.

Como assim? Isso mesmo! A nossa jornada de trabalho tem mais a ver com minutos do que horas! Geralmente pensamos em nossa rotina como dias trabalhados. Mas, segundo a especialista o que impacta a nossa produtividade são os minutos trabalhados (sendo mais específico, os minutos seguidos que trabalhamos).

Em uma entrevista para a Gallup, Gloria afirma que após observar e literalmente cronometrar as rotinas de diversos funcionários, descobriu que o tempo médio que as pessoas passam fazendo algo antes de uma interrupção é de apenas três minutos e 5 segundos. Ou seja, em muitos ambientes, esse é o máximo de tempo que as pessoas permanecem concentradas em algo (EXAME).

Ao ler essa informação, você pode confundir as pausas (ou “breaks”) com distrações. No entanto, são coisas distintas. Para a pesquisadora, as distrações ou interrupções pegam as pessoas de forma desprevenida, tirando-as inteiramente do foco da atividade. Diferente das pausas que são focadas e planejadas.

 

“As distrações podem ser dos mais diferentes tipos e não se restringem as causas de fatores externos, como e-mails constantes, telefonemas e colegas de trabalho que chegam na sua mesa com “perguntas rápidas” que levam toda a manhã (GLORIA MARK).

 

 Para a especialista, em 44% das vezes a interrupção vem do próprio indivíduo. Por exemplo, “você acha que fica na frente do computador por muito tempo, mas não é verdade. Normalmente está ali brevemente antes de fazer outra coisa.”, afirma.

 

Mas, por que isso acontece?

Gloria afirma que isso está relacionado com a teoria da gratificação instantânea, em que as pessoas têm uma dificuldade natural em adiar as coisas que dão prazer imediato. “Mas se a razão para isso ainda não é clara, o custo das interrupções é: a troca incessante de tópicos causa estresse e atrasa (ou impede) a realização de tarefas que poderiam ser muito mais rápidas”, explica.

Ainda de acordo com a pesquisa, são cerca de 25 minutos para voltarmos a nossa atenção para alguma atividade, depois de termos parado. Ressaltando que a tarefa de se concentrar novamente na atividade que estávamos fazendo exige um esforço cognitivo (o que gera estresse), fora o “trabalho invisível” – aquele que seus colegas não veem, como trabalhar fora do expediente ou durante o fim de semana para manter-se em dia com as demandas.

 

Como posso melhorar isso?

Para a pesquisadora a melhor maneira é ter:

Autoconhecimento

A dica é simples, para evitar as distrações é importante sabermos como lidamos em nosso espaço de trabalho. Pense em qual local você se distrai menos, em qual local você irá mexer menos nos eletroeletrônicos etc. Em qual ambiente você costuma ser mais produtivo e coloca limite no uso de internet, conversas paralelas etc. Dessa forma você saberá qual a melhor maneira para se distrair menos e produzir mais em seu dia.

Se você tem problemas com distrações no seu ambiente de trabalho, esperamos que esse artigo tenha sido útil para você! Toda semana trazemos um conteúdo do mundo dos negócios! E o melhor: discutimos em nossas reuniões! Quer saber como funciona?  Entre em contato conosco!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
12/03/18 Dicas e Guias # , , , , ,

Colaborador desmotivado pode contaminar uma equipe

Colaborador desmotivado pode contaminar uma equipe

Veja em nosso artigo como a má conduta de um funcionário pode afetar toda uma cultura organizacional!

Independentemente de sua idade você já deve ter ouvido que uma maçã podre tem o poder de contaminar todas as outras que estão a sua volta. Saiba que isso não é balela, mas sim verdade! É comprovado cientificamente que se um fruto estiver se decompondo ele influência no estado dos restantes. E a mesma regra é aplicada no mundo organizacional: uma única pessoa com hábitos ruins exerce mais influência que os funcionários bons, de acordo com os professores de escolas de negócios Stephen Dimmock da Nanyang Technological University (Cingapura) e William C. Gerken da University of Kentucky (EUA), em artigo publicado na Harvard Business Review.

Se você está no mercado de trabalho, com certeza já lidou com uma pessoa que está sempre desmotivada, reclamando de tudo e insatisfeita com todas as áreas de sua vida. E atribui a culpa sempre aos outros e à empresa. De acordo com os pesquisadores, um funcionário com essas atitudes tem mais poder de influência do que os que têm atitudes contrárias, como satisfação e otimismo constantes.

Segundo os pesquisadores “entre colegas de trabalho, é mais fácil aprender um comportamento ruim do que um bom. As consequências de um funcionário problemático vão além dos efeitos diretos de suas ações – comportamentos ruins de um podem influenciar negativamente os comportamentos dos outros e causar uma série de consequências paralelas”. Como desmotivação de uma equipe inteira.

Caso o empresário ou gestor não esteja atento a esse tipo de colaborador, todo o empenho do restante da equipe pode ir por água a baixo. Para comprovar o quanto esse cenário é real, Stephen Dimmock e William Gerken, averiguaram em uma determinada empresa de consultoria o poder de influência dos consultores que tinham “más condutas”. No ambiente de trabalho dessa organização os funcionários tinham como cultura trabalhar com colegas diferentes em cada mudança de projeto.  Ou seja, os colaboradores estavam em constante rotatividade, não tendo tempo de se “acostumar” com os hábitos dos colegas.

Para entender a dinâmica do trabalho desses funcionários, os pesquisadores pegaram as informações e começaram a analisar as conversas que eles tinham.

Descobriram que bastava um consultor financeiro ter uma má conduta (como se queixar de alguma situação) que os demais colegas de trabalho também começavam a ter a mesma atitude. Mesmo com a mudança constante de equipe.  Ou seja, esse tipo de atitude era aprendida rapidamente.

Quais os resultados da pesquisa?

Em linhas gerais, o resultado da pesquisa foi: 37% dos consultadores financeiros tiveram inclinação para uma má conduta. Ou seja, esse resultado mostra que agir de forma incorreta é um multiplicador social.

Mas observar somente como se dão os comportamentos similares entre os colegas de trabalho não explica o motivo pelo qual o contágio das ações acontece. Então, foi feita outra pesquisa para compreender melhor o fenômeno. Nessa nova parte da investigação, os pesquisadores perceberam que esse contágio acontece porque as pessoas tendem a “imitar” seus pares. Por exemplo, é mais fácil uma pessoa agir da mesma forma que um colega de trabalho com uma função semelhante à sua, do que como um líder que está em uma situação de “vantagem”. Porque nós, seres humanos, tendemos a repetir ações de pessoas pelas quais nos sentimos representadas.

 

Se liga nas dicas!

Se você não quer que a sua empresa passe por essas situações, fique atento a essas dicas:

– Tenha uma comunicação transparente e clara com os seus colaboradores. Não poupe tempo explicando o que é má conduta para a empresa.

– Procure ter essa comunicação por meio de meios informais. Para os pesquisadores, compreender como os colaboradores lidam com diferentes situações é importante para compreender como a cultura organizacional funciona sendo possível assim moldá-la.

– Valorize os bons funcionários, de forma que eles conseguirão agir como líderes indiretos e amenizar qualquer situação ruim que possíveis funcionários possam ter.

–  Analise constantemente a sua equipe!

Além disso, esteja sempre atento e presente em sua empresa! Um bom gestor está sempre estudando meios para que o clima organizacional de seu negócio seja agradável e produtivo.

E você? Já viu alguma situação similar em seu ambiente de trabalho? Venha compartilhar conosco! Participe do nosso café da manhã! Entre em contato conosco!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
05/03/18 Dicas e Guias # , , , ,

Os melhores filmes para empreendedores de sucesso!

Os melhores filmes para empreendedores de sucesso!

Quem não gosta de um bom filme com uma pipoquinha para passar o tempo? Ao falar de cinema estamos lidando com um dos mais diferentes tipos de expressão cultural da sociedade tecnológica e contemporânea. Desde o seu surgimento, as produções cinematográficas são utilizadas para fins educativos. Em que o receptor aprende com a mensagem que está sendo transmitida. No artigo dessa semana fizemos uma lista de filmes para que você, empreendedor, possa se inspirar nessa empreitada que é o mundo dos negócios!

Sabemos que ser empreendedor não é fácil. Muitos são os desafios. Pode ser a falta de apoio das pessoas mais próximas, a falta de recursos, a mudança de mercado etc. Seja qual for a sua situação, é comum ter dificuldades. Empresários do mundo inteiro passam por empecilhos. Até mesmo os que possuem hoje grandes patrimônios. Nas telinhas muitas são as histórias que retratam essa temática e nos inspiram.

Confira a lista abaixo e prepare a pipoca, porque a sessão promete!

Joy: o nome do sucesso

Lançado em janeiro de 2016, o filme dirigido por David O. Russell, conta a história de Joy Mangano, uma empreendedora americana criativa que desde cedo enfrentou diversos problemas familiares, principalmente no começo do seu negócio.  É uma inspiração para quem tem talento, mas nem sempre está em um ambiente tão favorável.

À procura da Felicidade

Se você está desanimado e sem rumo, esse filme é para você! Nessa inspiradora produção cinematográfica, o personagem Chris Gardner interpretado por Will Smith, enfrenta diversos problemas financeiros e familiares junto com seu filho de cinco anos. O que aprendemos com esse filme? A nunca desistir dos nossos sonhos, porque mesmo com dificuldades, como abandono de um cônjuge e problemas financeiros, é possível vencer barreiras com trabalho e persistência.

Jobs (2013)

Para os amantes e empreendedores da tecnologia, esse filme é uma boa pedida. O filme mostra como o empreendedor Steve Jobs conseguiu alcançar um grande patrimônio, procurando sempre ter paixão e ser o melhor em seu ramo de atuação. Mesmo apresentando comportamentos peculiares. A lição que podemos tirar do filme? Precisamos de motivações para conseguir prosseguir com nossos sonhos (mesmo que eles comecem em uma garagem sem muitas perspectivas).

Lobo de Wall Street (2014)

Com a brilhante atuação de Leonardo DiCaprio, essa produção mostra a história de Jordan Belfort, que se tornou milionário por meio do seu negócio – a corretora Stratton Oakmont. A obra apresenta como o empresário conseguiu alcançar todo o seu patrimônio mesmo sendo preso. O filme é um bom exemplo de como determinação pode levar ao topo e da importância de agir dentro das leis para ter um negócio sólido.

A Rede Social (2010)

Quem utiliza o Facebook muitas vezes não sabe como a história de seu idealizador – Mark Zuckerberg – pode nos ensinar sobre o mundo do empreendedorismo. Da ideia até o crescimento, o filme mostra todo o caminho que Mark passou para tornar o seu negócio um dos maiores empreendimentos do mundo.

Com esses filmes, vai ser impossível você não sair inspirado! Aproveite e pegue as melhores dicas para ser um grande empreendedor! E depois venha compartilhar tudo que você aprendeu em nosso café da manhã! Entre em contato!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
26/02/18 Dicas e Guias # , , , ,

Qual o momento de me reinventar e impulsionar minha carreira?

Qual o momento de me reinventar e impulsionar minha carreira?

Se sente confuso em relação a sua vida profissional? Não sabe se a sua empresa está no caminho certo? Saiba que esses questionamentos são comuns. Em determinados períodos de nossas vidas é normal nos questionarmos e nos reinventarmos. Ainda mais quando estamos em um ambiente de trabalho insatisfatório ou acabamos de passar por uma demissão. Veja em nosso artigo, como esse período pode ser benéfico para a nossa vida pessoal e profissional!

Independentemente da situação que você se encontra, está no ser humano uma vontade de mudar. Seja com a abertura de um empreendimento próprio, com uma especialização, com uma mudança de cargo etc.

Por exemplo, o artista plástico Marcello Passeri, de 51 anos, trabalhou durante anos em agências de publicidade, teve seu próprio negócio, muitos clientes e um bom retorno financeiro. No entanto, com o avanço da internet, o mercado mudou. Trabalhos que eram manuais passaram a ser digitais e o seu departamento deixou de existir da mesma forma.

Sem capital para acompanhar tais mudanças, o profissional “quebrou”. Com isso, surgiu a necessidade de se reinventar e de arriscar. Por intermédio do seu irmão arquiteto, acabou sendo contratado como líder de vendas de uma empresa de revestimentos. Onde trabalha também com a instalação de produtos – trabalho estético que domina devido aos anos na carreira publicitária.

 

“A gente às vezes toma alguns chutes fortes da vida, que nos fazem perceber que precisamos mudar. O meu primeiro ano nesta atual carreira foi bem difícil. É preciso estar predisposto a mudar e a aprender. Consigo me manter bem e hoje já posso elaborar um planejamento para o próximo ano, mas não tenho toda a segurança do mundo – e acho que nunca terei. O mundo muda rápido demais, vamos ter que viver prestando atenção e nos preparando para o caso de amanhã não existir mais o trabalho que fazemos hoje”, avalia Marcello.

 

Para a psicóloga e coach de carreira, Priscilla de Sá, é necessário analisar com racionalidade a natureza das nossas insatisfações. É preciso agir dessa maneira para que o profissional que está descontente saiba qual caminho deve seguir. Porque se a decisão for radical ela deve ser tomada não apenas pelas atuais circunstâncias, mas sim pela inquietude que vem há tempos.

 

“Você olha para o seu chefe e para o chefe do seu chefe e percebe que não quer ser como eles, não quer fazer o que eles fazem e levar a vida que eles levam. A pessoa que está nesta situação muitas vezes não tem mais orgulho da carreira ou mesmo da sua profissão. Ele vai ter que virar outro profissional”, afirma a psicóloga Priscilla.

 

No entanto, mesmo que você esteja certo de que precisa de uma mudança brusca de vida é necessário ter certos cuidados. A coach aconselha a ter calma e senso crítico no momento de fazer um novo planejamento de vida.

 

“Existe uma lista de o que não se pode fazer nessas horas. A primeira delas é jamais tomar uma decisão motivada por revanchismos. Muitas pessoas saem de uma empresa com raiva da organização, do chefe, do conselho. Esse lugar da mágoa é o pior em que se pode estar na hora de tomar uma decisão. Isso porque a nova realidade que esse profissional quer para a sua vida vai acabar nascendo de algo reativo, algo defensivo, e não de uma ação”, afirma.

 

O outro conselho da profissional é para as pessoas que tomam a decisão de abrir o seu próprio negócio. Para ela, motivações como não querer mais um chefe e flexibilidade de horário, são equivocadas. Pois, sendo o dono da empresa, você passará a ter vários “patrões“ (os clientes) – que muitas vezes não te permitirão descansar aos finais de semana. Além de ter que pensar bem mais nos outros.

Além disso, uma das formas eficazes para se reinventar no mercado é o networking. Porque é um meio de se trocar experiências, frequentar palestras, workshops etc. Para Priscilla, “o networking é uma poupança que fazemos, uma semente que se lança despretensiosamente e que em algum momento do futuro será útil”.

O Meepe é um bom exemplo de networking. Aqui o profissional tem a possibilidade de fazer contatos com pessoas comprometidas com o desenvolvimento de seus negócios e assim ganhar experiência de quem realmente entende do assunto! Venha tomar um café conosco e se reinvente!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
12/02/18 Dicas e Guias # , , , ,

Perfil empreendedor: conheça o seu!

Perfil empreendedor: conheça o seu!

De acordo com o dicionário, empreendedor é aquele indivíduo que possui capacidade para idealizar projetos, negócios ou atividades. A pessoa que empreende é aquela que decide fazer algo difícil ou trabalhoso e sabe identificar as oportunidades e transformá-las em organizações lucrativas.

Como o Brasil é composto majoritariamente por pequenos negócios é comum termos em nosso país diferentes tipos de empresas e de empreendedores. Aquelas pessoas responsáveis por fazerem a economia crescer e atender às diferentes necessidades dos clientes- que estão cada vez mais exigentes.

Muitas pessoas utilizam as palavras empreendedor e empresário como sinônimos. Porém, há diferenças. Empresário é aquele que toma a seu cargo um empreendimento e gerencia os recursos de modo que seu negócio tenha lucro. Já o empreendedor é aquela pessoa inovadora, que tem uma maneira diferente de ver seu negócio, querendo transformar seus projetos em realidade. Não precisa abrir uma empresa para ser um empreendedor, basta ser inovador e contribuir com diferentes ideias em seu ambiente.

Veja nesse vídeo que separamos para você as 10 características presentes nos empreendedores:

Conheça em nosso artigo os diferentes tipos de empreendedores.

Por necessidade

É aquela pessoa que abre uma empresa porque precisa quitar suas dívidas e trabalhar. Normalmente é responsável por idealizar o negócio e mantê-lo em pé. No Brasil, grande parte dos empreendimentos nascem dessa forma. Ou seja, quando um trabalhador resolve empreender por conta própria para conseguir se manter.  De acordo com a legislação brasileira, uma empresa com um faturamento de até R$60 mil por ano, e que possui, no máximo, um empregado, já é considerado um empreendimento.

Digital

Quando falamos do empreendedor digital, estamos tratando do indivíduo que oferece seu produto ou serviço por meio da internet, com o objetivo de alcançar esse novo consumidor- o que se encontra na rede.

Por exemplo: o dono de um e-commerce de uma loja de cosméticos.

Hoje com a grande revolução tecnológica, lojas, profissionais liberais etc., estão utilizando a rede para empreenderem. Seja por meio de um bom site de vendas, links patrocinados em redes sociais, entre outros.

Social

Esse tipo de empreendedor é aquele que tem o objetivo de buscar soluções inovadoras para resolver problemas existentes na sociedade e assim torná-la melhor.

Exemplo: pessoas idealizadoras de empresas sociais.Diferente das ONGs, utilizam mecanismos de mercado, por meio de uma atividade lucrativa, para encontrar soluções para os problemas sociais.

Nato

É aquele que apresenta traços em sua personalidade que são recorrentes nos empreendedores. Seja por motivações próprias ou por influência familiar, como pais e avós que já possuem empresas.

Serial

É o indivíduo que tem as habilidades de criar e de identificar oportunidades para criar negócios. Normalmente, não administra todos os empreendimentos que idealiza, deixando para profissionais com experiência em gestão. Ou seja, seu foco é criar e desenvolver ideias.

E você em qual tipo de enquadra?  Descobriu? Quer compartilhar conosco? Venha tomar um café da manhã e amplie sua rede de contatos! Nós do Meepe, temos diferentes tipos de empreendedores que estão dispostos a fazerem negócios e desenvolverem a cidade! Junte-se a nós!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
20/11/17 Dicas e Guias # , , , , ,

Como fazer a sua Empresa superar a Crise do País?

Como fazer a sua Empresa superar a Crise do País?

artigo meepe Como fazer a sua Empresa Superar a Crise do País?

Faça sua empresa se destacar e driblar a crise econômica!

Um dos grandes desafios das empresas é sobreviver no mercado competitivo, onde negócios fecham as portas todos os anos. Com esse cenário agravado devido à crise econômica sua empresa deve buscar estratégias para atrair consumidores e manter-se funcionando.

Por onde começar?

Cada empresa possui uma razão para existir, uma missão que deve desempenhar com excelência. Ou seja, aquilo oferecido aos clientes, mas qualidade não é um diferencial e sim o mínimo esperado pelo comprador.   O que vai chamar a atenção é o diferencial do seu negócio. Mas como identificar esse diferencial? Revendo todo o conceito do seu empreendimento, desde produção, venda e atendimento ao cliente. Todos os processos devem ser analisados e comparados com a concorrência para identificar o que te torna diferente.

Segundo Passo

Após descobrir o que te torna diferente dos outros é necessário levar isso aos consumidores de maneira perceptível. Por exemplo, um pequeno empreendedor que possui uma padaria em um bairro residencial. Ele atende todos os dias as pessoas que moram na região, conhece cada uma e as atende sempre pelo primeiro nome. Na rua de baixo existe uma padaria franqueada,  onde o movimento é menor do que a da concorrente. O dono do estabelecimento nunca está presente e os funcionários sempre trabalham de maneira indiferente com seus poucos clientes.

Qual o diferencial?

Podemos dizer que o diferencial da pequena padaria é o atendimento. E que as pessoas que a frequentam preferem ser tratadas de maneira particular, um tratamento que recebem do atendente. Ele os chama pelo nome, pergunta da família e sabe o que cada um mais gosta de consumir. Neste caso, os próprios clientes se encarregam de promover o local indicando aos seus vizinhos e pessoas próximas. Portanto, além de identificar o seu diferencial de mercado há a necessidade de fazer o cliente percebê-lo. Existem diversas maneiras de levar essa informação às pessoas, como se comunicar através de redes sociais, contratando agências de comunicação, priorizando o atendimento e até por meio do boca a boca.

Confira 5 dicas para driblar a crise:

  1. Estar constantemente acompanhando os resultados da empresa: realizar análises contábeis e financeiras, projetar e simular hipóteses positivas e negativas. Essas atitudes possibilitam que os momentos difíceis sejam previstos com antecedência e permitam que o gestor se programe para resolver o problema considerando aquele cenário projetado. A importância de se fazer simulações e manter cenários é a possibilidade de se preparar para todos os tipos de desafios, traçando estratégias para o crescimento da empresa ou para reverter situações negativas.
  2. Precificação: reduzir drasticamente os preços para vender mais ou aumentá-los demais para cobrir despesas adicionais da empresa não são aconselháveis, pois neste caso é importante avaliar os preços cobrados e levar em consideração a concorrência, as mudanças do mercado e o novo planejamento da empresa.
  3. Determinar metas a serem alcançadas: motivar os funcionários e estimular sua empresa a aumentar as vendas e a produtividade é um fator importante. No entanto, deve-se ter cautela para estipular metas plausíveis e que animem o time, afinal o momento de turbulência econômica por si só, já é desanimador.
  4. Reduzir desperdícios: realize campanhas e palestras para conscientizar os funcionários em relação ao uso e consumo de itens envolvidos na produção do negócio. Reduzir o consumo pode parecer pouco eficaz, mas causa um grande impacto no balanço das contas.
  5. Ter uma equipe qualificada: tenha uma equipe preparada para mudanças e que acompanhe a necessidade de crescimento da empresa. É preciso que os funcionários estejam sempre prontos para os novos desafios e não se preocupem apenas em realizar suas tarefas minimamente.

Conhece o Meepe Networking? Ter bons relacionamentos com seus colaboradores faz diferença no negócio, assim como ter uma rede de contatos, que te possibilita divulgar melhor o seu trabalho e atender mais clientes. O Meepe Networking tem como objetivo aproximar e criar negócios a partir de relacionamento entre empresários e autônomos.

Quer saber mais? Continue navegando pela nossa página.

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
16/10/17 Startup # , , , , , ,

Startup: Por Onde Começar?

Startup: Por Onde Começar?

Startup: Por Onde Começar?

É comum ouvirmos o termo "startup" atualmente no mundo empresarial, mas existem, no entanto, algumas divergências em relação à definição exata deste conceito.

Há especialistas que afirmam que qualquer companhia iniciante no mercado se encaixa nesta modalidade. Enquanto outros dizem que é preciso ter sido fundada com custos baixos e ter crescimento acelerado com uma grande lucratividade.

De acordo com especialistas em startups existe uma definição de Steve Blank que é mais atual e que parece satisfazer o mercado.

 

Uma empresa é considerada uma startup quando ainda está em busca de um modelo de negócios viável. Que seja repetível e escalável.

 

*Ser repetível: significa ser capaz de vender o mesmo produto para todos os clientes com potencialidade ilimitada. Sem muitas adaptações ou customizações. Como, por exemplo, o modelo pay-per-view que vende o mesmo filme a qualquer um que queira pagar por ele sem influenciar na disponibilidade do produto.

 

*Ser escalável: consiste em crescer em receita significativamente. Sem influenciar no modelo de negócios e com custos crescendo mais lentamente acumulando lucros.

Mas por onde começar?

Atualmente, mais brasileiros tem se interessado por ter o próprio negócio. Buscar por soluções que auxiliem a alcançar este sonho. Existem no país pessoas com ideias inovadoras e pouco capital de investimento, que acabam por desistir do seu negócio por não saberem como levar o projeto adiante.

 

Veja os três passos importantes para o desenvolvimento de uma startup

1 – Ideação

Como em qualquer projeto, tudo começa com uma boa ideia. Nessa fase, conversar com diferentes pessoas, trocar informações e participar de eventos nos ajuda a saber se estamos no caminho certo. Não busque fazer só “o que está dando certo no mercado”. Procure avaliar bem suas competências, habilidades, talentos e paixões, pois o que mais conta é sua capacidade de execução do projeto.

 

Participar de grandes eventos sobre startup garantem um maior conhecimento do assunto. Confira o artigo e saiba mais sobre o Startup Weekend.

 

Antes de dar os próximos passos na construção e implementação da ideia certifique-se com os clientes reais, “saia do prédio” para conversar com eles e aprender mais sobre a fatia de mercado que pretende alcançar. Isso poupará tempo e dinheiro nas próximas etapas do projeto.

De forma geral, uma boa startup precisa basicamente de quatro competências bem definidas. Gestão, tecnologia, operações e vendas. No entanto, é pouco provável que apenas uma pessoa  exerça todas as funções simultaneamente, por isso, busque formar uma equipe qualificada que te ajudará a complementar suas habilidades.

2 – Operação

Para a segunda etapa do projeto é importante ter um acordo de sócios. Uma das principais causas de falhas em startups está no desentendimento entre sócios.  Mariana Vasconcelos, CEO da Agrosmart, aconselha elaborar dois contratos, um deles sendo oficial onde deve estar claro quais os direitos e deveres de cada sócio, as regras de saída da empresa, entre outros. O outro contrato é um informal, para conhecer um ao outro, quais as expectativas, as crenças e os limites de cada um.

Um dos principais desafios de uma startup em fase inicial é encontrar um modelo de negócios funcional para o projeto. Esse modelo é formado por um conjunto de elementos, como proposta de valor, clientes, parceiros, atividades, recursos, fontes de receita e estrutura de custo. Para encontrá-lo é necessário realizar diversos testes a partir de pesquisas preliminares, pré-venda, ofertas não automatizadas, dentre outras formas.

Conheça suas métricas, compreenda quais as mais importantes para o seu negócio e utilize-as como direcionador para ajustar e otimizar seu modelo de negócio. Entretanto, cada tipo de negócio possui uma métrica mais adequada. Como por exemplo, em e-commerces, a taxa de conversão de visitantes em compradores, por canal de marketing utilizado, bem como seus respectivos custos de aquisição.

Após escolher o melhor modelo de negócio, é importante considerar que pode ser necessário algum investimento ao longo da vida da startup, pois permite aceleração maior da empresa . Assim como selecionar investidores que ofereçam, além do capital investido, “know-how” para ajudar no negócio.

3 – Tração

Construa uma cultura e valorize sua equipe. Um dos pontos mais importantes de uma startup em fase de crescimento é a manutenção de sua cultura. Que é capaz de atrair profissionais não apenas por dinheiro, mas por um propósito em comum.

Após ter delimitado o modelo de negócio adequado para sua startup e definido a cultura da organização, não tenha medo de expandir seu projeto. O CEO da Pipefy Alessio Alionço afirmou que a marca já nasceu global desde o primeiro dia e que isso permitiu atingir um número de usuários em um mercado muito maior e acessar recursos também em nível global.

 

Conheça a startup que surgiu em Bauru com objetivo de melhorar as condições de saúde da população no nosso artigo.

 

Lembre-se,  o objetivo de uma startup é deixar de ser uma startup. Possuir uma rede de contatos ativa que possibilita trocar informações e experiências com profissionais do mercado. O Meepe Business Networking tem o propósito de aproximar e criar negócios por meio de relacionamento entre os empresários. Venha fazer parte desta rede e fortalecer os seus negócios! Meepe Conectando Pessoas e Negócios.

Gostou do artigo? Continue acompanhando a nossa página que sempre estamos compartilhando conteúdos pertinentes para a sua vida profissional!

Entre em contato
e saiba como participar da Meepe Networking
contato@meepe.com.br

Entre em contato
e saiba como participar da Meepe Networking
contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
25/09/17 Palestras # , , , ,

Gestão de Pessoas e Projeto Financeiro

Gestão de Pessoas e Projeto Financeiro

Conhecer novos modelos de gestão sempre é bem-vindo! Na última semana, os meninos do projeto PacBaja apresentaram para os meerpes o modelo implementado no projeto que tem proporcionado grandes resultados!

Swot e Plano de Gestão

De acordo com os palestrantes Dennys e Gabriel no atual mercado é essencial que a empresa tenha noção de suas fraquezas e forças tanto internamente quanto externamente. E para sistematizar essas informações uma boa ferramenta é a Análise SWOT ( Strenght, Weakness, Opotunities and Threats).

Ferramenta de fácil utilização, atualmente é utilizada em diversos negócios, conforme ilustração abaixo:

Ferramenta de fácil utilização, atualmente é utilizada em diversos negócios, conforme ilustração abaixo:

Como podemos observar, cabe ao empreendedor anotar os itens em cada segmento. Sendo possível ter uma visão mais clara de suas forças e fraquezas, facilitando a visão do empreendedor perante seu negócio.

 

Para Dennys e Gabriel “algumas fraquezas que se encontram em diversas empresas são internas, e dizem respeito a organização e falta de um fluxo claro de informações”.

 

Seguindo esse raciocínio, os palestrantes são algumas sugestões como:

Reuniões Objetivas: todos nós temos diversas reuniões ao longo da semana. No entanto, nem todas são produtivas e necessárias. Para melhorar a produtividade de sua empresa, uma saída é fazer reuniões apenas com as pessoas necessárias para decidir cada assunto e ter a pauta do que será discutido antes da reunião. Dessa forma, o tempo dos funcionários será melhor utilizado.

 

Detalhamento de Processos: geralmente o gestor sabe muito bem o que sua empresa precisa. Mas, nem sempre isso é claro para seus funcionários. Para isso, os palestrantes recomendam que se utilize um Escopo em conjunto com uma EAP- Estrutura Analítica de Projeto e um cronograma. Com esses três documentos seus funcionários terão em mente quais tarefas precisam ser realizadas e seu prazo para conclusão.

Softawares organizacionais: a utilização de softwares par a gestão de sua empresa é muito interessante. Alguns como o Trello e MS Project são essenciais para a maioria dos projetos. Eles facilitam o compartilhamento e a definição dos itens acima.

 

Gestão Visual: depois que você tem todas as tarefas definidas e a data de conclusão, basta ficar atento aos indicadores. Assim você terá a identificação dos problemas que possam surgir. Com isso, sua equipe terá noção de como o projeto está andando e se está no caminho certo.

Agradecemos aos palestrantes pela troca de informações tão úteis para o nosso cotidiano!

E você? Se interessou pelo grupo? Quer alavancar seus negócios?
Venha nos conhecer! Toda semana nos reunimos e fazemos negócios!

Gostou do artigo? Continue acompanhando a nossa página que sempre estamos compartilhando conteúdos pertinentes para a sua vida profissional!

Entre em contato
e saiba como participar da Meepe Networking
contato@meepe.com.br

Entre em contato
e saiba como participar da Meepe Networking
contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses