07/05/18 Dicas e Guias # , , , , ,

Encontre o emprego dos sonhos dentro de você e seja feliz

Encontre o emprego dos sonhos dentro de você e seja feliz

Você trabalha, trabalha e trabalha e fica esgotado. Vê amigos felizes nos seus locais de trabalho e questiona se o emprego dos sonhos existe e se o problema está em você por não descobri-lo? Saiba que esse dilema não é só seu! No mundo inteiro esse questionamento está presente. E especialistas estão desvendando mais sobre esse tema. Confira em nosso artigo!

Imagine que você é jovem e conquista o emprego dos seus sonhos. Mas que após um tempo percebe que na verdade o sonho era dos outros e não o seu. Foi assim que aconteceu com Sophie Brown. Aos 24 anos a jornalista conquista o emprego dos sonhos em um importante site internacional de notícias. A profissional trabalhou muito para chegar até lá. Seguiu o conselho de todos- pais e professores. No entanto, ela odiava a vida que estava levando.

“Eu odiava o emprego e as pessoas lá”, diz ela. “A ideia é que eu continuasse subindo e quando conseguisse uma promoção eu seria mais feliz, ou quando conseguisse um aumento as coisas seriam mais fáceis”. Mas a realidade mostrava outra história. Trabalhando noites adentro, de manhã cedo e nos finais de semana… “Eu não passei tempo algum com a minha família durante anos e percebi que esse emprego dos sonhos no qual eu trabalhei tanto, na verdade não era nada do que eu queria”, afirma.

O desfecho? A demissão.

A Felicidade depende de nós!

De acordo com a consultora de felicidade, Samantha Clarke (profissional paga para auxiliar as empresas a fazerem seus funcionários felizes) “todos nós somos agentes da nossa própria felicidade profissional”, afirma. “Depende de nós ir lá e descobrir o que funciona e o que não funciona para nós, sabe, começar a comandar de verdade a nossa vida.”

Um dos motivos que contribuem com esse cenário de insatisfação é o uso das redes sociais. Muitas pessoas acreditam que a vida e a felicidade de Instagram é constante na vida das pessoas. E olham a vida do outro sem saber que tudo tem suas vantagens e desvantagens.

Por exemplo, muitas pessoas acreditam que trabalhar em casa é sinônimo de trabalhar menos. No entanto, há indícios de que isso pode ser contraditório. A pesquisa conduzida por Alan Felstead, professor da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, apresentou o seguinte resultado: funcionários que trabalham remotamente são mais felizes profissionalmente. Eles são mais entusiasmados com suas tarefas e mais comprometidos com a organização para a qual trabalham.

“A suposição mais comum é que trabalhar de casa significa burlar as regras, ser folgado”, diz Felstead. “Mas as evidências mostram que esses funcionários estão na verdade trabalhando mais duro. Então, por exemplo, há uma diferença de 15 pontos porcentuais indicando que eles frequentemente trabalham além dos horários normais e uma diferença de seis pontos porcentuais no nível de esforço”, afirma.

Ou seja, não tem uma fórmula. A felicidade está em cada um, na vontade de sempre procurar sair da zona de conforto. De se reinventar. Porque o emprego dos sonhos, depende de nós.

Clarke, afirma que a felicidade da profissão não é algo como uma “felicidade de Instagram”, com sorrisos alegres e cerveja grátis. “É pensar como nós podemos ter conversas melhores, como podemos criar ambientes ou áreas onde as pessoas possam trabalhar melhor.”

Lembra da Sophie? A nossa jornalista do começo do artigo? Ela agora organiza sua própria rotina como freelancer e aspirante a confeiteira. Ela trabalha em casa, ao lado de seus dois cachorros, e tem aulas de confeitaria à noite.

“Eu vejo as pessoas que amo mais do que nunca e estou muito mais feliz do que jamais estive”, diz ela. “Agora eu percebi que há formas de fazer dinheiro que fazem você feliz”.

O emprego do sonho depende de você!

Gostou do nosso artigo? Quer saber mais sobre o mundo empresarial? Continue navegando em nossa página! Nós do Meepe, estamos sempre ajudando uns aos outros em nossas reuniões e encorajando cada um a superar os seus limites! Venha tomar um café conosco!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Posts recentes

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
23/04/18 Dicas e Guias # , , , ,

Como lidar com a dificuldade de falar em público

Como lidar com a dificuldade de falar em público

Tremedeira, dores na barriga, alteração na voz, transpiração etc. Essas são algumas reações comuns para as pessoas que têm certo receio de falar em público. Afinal, falar para os outros não é uma tarefa simples. Pois nunca sabemos qual será a reação do outro e, se a nossa exposição será bem compreendida. Veja em nosso artigo algumas dicas para se sair bem em suas apresentações!

 

Tenha Autoconhecimento

Assuma suas limitações e seus pontos fracos. Não tem problema nenhum se você não tem facilidade e nem aptidão para falar em público. Quando sabemos como somos, fica mais fácil lidar com a situação. Por exemplo, se seu chefe pede para desenvolver uma palestra em que será preciso se expor, automaticamente você começará a trabalhar suas fraquezas de forma mais simples. Como treinar a apresentação, falar com os colegas etc.

Saiba qual o seu público e conheça o local

Um dos maiores problemas das pessoas que têm dificuldade de se expressar em público é não saber lidar com imprevistos, como a energia acabar e não ter aonde expor a apresentação em PPT, alguém fazer um tipo de questionamento, o local não ter um clima agradável etc. Para evitar ser pego de surpresa e ficar ainda mais nervoso com a situação, procure se prevenir e informe-se!

Pratique

Segundo a diretora-gerente do Citigroup, Linda, a melhor maneira de praticar não é decorar o que vai ser falado exatamente, mas sim memorizar a linha de raciocínio e a fluidez das mensagens. “Acima de tudo, lembre-se de que menos é mais quando o assunto é falar em público. Eu acredito que a média de atenção da plateia é de cerca de 20 minutos”, afirma.

Alimente-se bem

Para evitar que o nervosismo afete a sua saúde, procure comer alimentos leves um dia antes. Mas não ingira muito líquido para evitar idas ao banheiro e alimentos muito pesados (que atrapalhem a digestão e afetem o seu humor).

 

Para saber mais veja, o vídeo que separamos para você:

E além de tudo isso, tenha a consciência de que até mesmo as pessoas com mais aptidão para lidar com o público, têm as suas limitações e se esforçam sempre para superar os seus limites.

 

Nós do Meepe, estamos sempre ajudando uns aos outros em nossas reuniões e encorajando cada um a superar os seus limites! Venha tomar um café conosco!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Posts recentes

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
19/03/18 Dicas e Guias # , , , ,

Aprenda a gerenciar melhor o seu tempo e seja mais produtivo!

Aprenda a gerenciar melhor o seu tempo e seja mais produtivo!

Quantas vezes você já foi interrompido quando estava fazendo alguma tarefa em seu ambiente de trabalho? Provavelmente uma centena de vezes, não é mesmo? Você já parou para pensar que esse tipo de situação atrapalha totalmente o planejamento que você fez para o seu dia? Em nosso artigo vamos falar sobre uma pesquisa realizada por uma professora da University of Califórnia de Irvine, que apresenta como as distrações e interrupções nos atrapalham diariamente. Continue lendo o nosso artigo para saber mais!

Você está concentrado e o seu colega te chama para checar uma informação? Parece que depois demora um certo tempo para a concentração voltar. De acordo com a professora Gloria Mark, especialista em efeitos de distrações e interrupções no escritório, a jornada de trabalho tem mais a ver com minutos do que com horas.

Como assim? Isso mesmo! A nossa jornada de trabalho tem mais a ver com minutos do que horas! Geralmente pensamos em nossa rotina como dias trabalhados. Mas, segundo a especialista o que impacta a nossa produtividade são os minutos trabalhados (sendo mais específico, os minutos seguidos que trabalhamos).

Em uma entrevista para a Gallup, Gloria afirma que após observar e literalmente cronometrar as rotinas de diversos funcionários, descobriu que o tempo médio que as pessoas passam fazendo algo antes de uma interrupção é de apenas três minutos e 5 segundos. Ou seja, em muitos ambientes, esse é o máximo de tempo que as pessoas permanecem concentradas em algo (EXAME).

Ao ler essa informação, você pode confundir as pausas (ou “breaks”) com distrações. No entanto, são coisas distintas. Para a pesquisadora, as distrações ou interrupções pegam as pessoas de forma desprevenida, tirando-as inteiramente do foco da atividade. Diferente das pausas que são focadas e planejadas.

 

“As distrações podem ser dos mais diferentes tipos e não se restringem as causas de fatores externos, como e-mails constantes, telefonemas e colegas de trabalho que chegam na sua mesa com “perguntas rápidas” que levam toda a manhã (GLORIA MARK).

 

 Para a especialista, em 44% das vezes a interrupção vem do próprio indivíduo. Por exemplo, “você acha que fica na frente do computador por muito tempo, mas não é verdade. Normalmente está ali brevemente antes de fazer outra coisa.”, afirma.

 

Mas, por que isso acontece?

Gloria afirma que isso está relacionado com a teoria da gratificação instantânea, em que as pessoas têm uma dificuldade natural em adiar as coisas que dão prazer imediato. “Mas se a razão para isso ainda não é clara, o custo das interrupções é: a troca incessante de tópicos causa estresse e atrasa (ou impede) a realização de tarefas que poderiam ser muito mais rápidas”, explica.

Ainda de acordo com a pesquisa, são cerca de 25 minutos para voltarmos a nossa atenção para alguma atividade, depois de termos parado. Ressaltando que a tarefa de se concentrar novamente na atividade que estávamos fazendo exige um esforço cognitivo (o que gera estresse), fora o “trabalho invisível” – aquele que seus colegas não veem, como trabalhar fora do expediente ou durante o fim de semana para manter-se em dia com as demandas.

 

Como posso melhorar isso?

Para a pesquisadora a melhor maneira é ter:

Autoconhecimento

A dica é simples, para evitar as distrações é importante sabermos como lidamos em nosso espaço de trabalho. Pense em qual local você se distrai menos, em qual local você irá mexer menos nos eletroeletrônicos etc. Em qual ambiente você costuma ser mais produtivo e coloca limite no uso de internet, conversas paralelas etc. Dessa forma você saberá qual a melhor maneira para se distrair menos e produzir mais em seu dia.

Se você tem problemas com distrações no seu ambiente de trabalho, esperamos que esse artigo tenha sido útil para você! Toda semana trazemos um conteúdo do mundo dos negócios! E o melhor: discutimos em nossas reuniões! Quer saber como funciona?  Entre em contato conosco!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Posts recentes

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
12/03/18 Dicas e Guias # , , , , ,

Colaborador desmotivado pode contaminar uma equipe

Colaborador desmotivado pode contaminar uma equipe

Veja em nosso artigo como a má conduta de um funcionário pode afetar toda uma cultura organizacional!

Independentemente de sua idade você já deve ter ouvido que uma maçã podre tem o poder de contaminar todas as outras que estão a sua volta. Saiba que isso não é balela, mas sim verdade! É comprovado cientificamente que se um fruto estiver se decompondo ele influência no estado dos restantes. E a mesma regra é aplicada no mundo organizacional: uma única pessoa com hábitos ruins exerce mais influência que os funcionários bons, de acordo com os professores de escolas de negócios Stephen Dimmock da Nanyang Technological University (Cingapura) e William C. Gerken da University of Kentucky (EUA), em artigo publicado na Harvard Business Review.

Se você está no mercado de trabalho, com certeza já lidou com uma pessoa que está sempre desmotivada, reclamando de tudo e insatisfeita com todas as áreas de sua vida. E atribui a culpa sempre aos outros e à empresa. De acordo com os pesquisadores, um funcionário com essas atitudes tem mais poder de influência do que os que têm atitudes contrárias, como satisfação e otimismo constantes.

Segundo os pesquisadores “entre colegas de trabalho, é mais fácil aprender um comportamento ruim do que um bom. As consequências de um funcionário problemático vão além dos efeitos diretos de suas ações – comportamentos ruins de um podem influenciar negativamente os comportamentos dos outros e causar uma série de consequências paralelas”. Como desmotivação de uma equipe inteira.

Caso o empresário ou gestor não esteja atento a esse tipo de colaborador, todo o empenho do restante da equipe pode ir por água a baixo. Para comprovar o quanto esse cenário é real, Stephen Dimmock e William Gerken, averiguaram em uma determinada empresa de consultoria o poder de influência dos consultores que tinham “más condutas”. No ambiente de trabalho dessa organização os funcionários tinham como cultura trabalhar com colegas diferentes em cada mudança de projeto.  Ou seja, os colaboradores estavam em constante rotatividade, não tendo tempo de se “acostumar” com os hábitos dos colegas.

Para entender a dinâmica do trabalho desses funcionários, os pesquisadores pegaram as informações e começaram a analisar as conversas que eles tinham.

Descobriram que bastava um consultor financeiro ter uma má conduta (como se queixar de alguma situação) que os demais colegas de trabalho também começavam a ter a mesma atitude. Mesmo com a mudança constante de equipe.  Ou seja, esse tipo de atitude era aprendida rapidamente.

Quais os resultados da pesquisa?

Em linhas gerais, o resultado da pesquisa foi: 37% dos consultadores financeiros tiveram inclinação para uma má conduta. Ou seja, esse resultado mostra que agir de forma incorreta é um multiplicador social.

Mas observar somente como se dão os comportamentos similares entre os colegas de trabalho não explica o motivo pelo qual o contágio das ações acontece. Então, foi feita outra pesquisa para compreender melhor o fenômeno. Nessa nova parte da investigação, os pesquisadores perceberam que esse contágio acontece porque as pessoas tendem a “imitar” seus pares. Por exemplo, é mais fácil uma pessoa agir da mesma forma que um colega de trabalho com uma função semelhante à sua, do que como um líder que está em uma situação de “vantagem”. Porque nós, seres humanos, tendemos a repetir ações de pessoas pelas quais nos sentimos representadas.

 

Se liga nas dicas!

Se você não quer que a sua empresa passe por essas situações, fique atento a essas dicas:

– Tenha uma comunicação transparente e clara com os seus colaboradores. Não poupe tempo explicando o que é má conduta para a empresa.

– Procure ter essa comunicação por meio de meios informais. Para os pesquisadores, compreender como os colaboradores lidam com diferentes situações é importante para compreender como a cultura organizacional funciona sendo possível assim moldá-la.

– Valorize os bons funcionários, de forma que eles conseguirão agir como líderes indiretos e amenizar qualquer situação ruim que possíveis funcionários possam ter.

–  Analise constantemente a sua equipe!

Além disso, esteja sempre atento e presente em sua empresa! Um bom gestor está sempre estudando meios para que o clima organizacional de seu negócio seja agradável e produtivo.

E você? Já viu alguma situação similar em seu ambiente de trabalho? Venha compartilhar conosco! Participe do nosso café da manhã! Entre em contato conosco!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Posts recentes

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses
20/11/17 Dicas e Guias # , , , , ,

Como fazer a sua Empresa superar a Crise do País?

Como fazer a sua Empresa superar a Crise do País?

artigo meepe Como fazer a sua Empresa Superar a Crise do País?

Faça sua empresa se destacar e driblar a crise econômica!

Um dos grandes desafios das empresas é sobreviver no mercado competitivo, onde negócios fecham as portas todos os anos. Com esse cenário agravado devido à crise econômica sua empresa deve buscar estratégias para atrair consumidores e manter-se funcionando.

Por onde começar?

Cada empresa possui uma razão para existir, uma missão que deve desempenhar com excelência. Ou seja, aquilo oferecido aos clientes, mas qualidade não é um diferencial e sim o mínimo esperado pelo comprador.   O que vai chamar a atenção é o diferencial do seu negócio. Mas como identificar esse diferencial? Revendo todo o conceito do seu empreendimento, desde produção, venda e atendimento ao cliente. Todos os processos devem ser analisados e comparados com a concorrência para identificar o que te torna diferente.

Segundo Passo

Após descobrir o que te torna diferente dos outros é necessário levar isso aos consumidores de maneira perceptível. Por exemplo, um pequeno empreendedor que possui uma padaria em um bairro residencial. Ele atende todos os dias as pessoas que moram na região, conhece cada uma e as atende sempre pelo primeiro nome. Na rua de baixo existe uma padaria franqueada,  onde o movimento é menor do que a da concorrente. O dono do estabelecimento nunca está presente e os funcionários sempre trabalham de maneira indiferente com seus poucos clientes.

Qual o diferencial?

Podemos dizer que o diferencial da pequena padaria é o atendimento. E que as pessoas que a frequentam preferem ser tratadas de maneira particular, um tratamento que recebem do atendente. Ele os chama pelo nome, pergunta da família e sabe o que cada um mais gosta de consumir. Neste caso, os próprios clientes se encarregam de promover o local indicando aos seus vizinhos e pessoas próximas. Portanto, além de identificar o seu diferencial de mercado há a necessidade de fazer o cliente percebê-lo. Existem diversas maneiras de levar essa informação às pessoas, como se comunicar através de redes sociais, contratando agências de comunicação, priorizando o atendimento e até por meio do boca a boca.

Confira 5 dicas para driblar a crise:

  1. Estar constantemente acompanhando os resultados da empresa: realizar análises contábeis e financeiras, projetar e simular hipóteses positivas e negativas. Essas atitudes possibilitam que os momentos difíceis sejam previstos com antecedência e permitam que o gestor se programe para resolver o problema considerando aquele cenário projetado. A importância de se fazer simulações e manter cenários é a possibilidade de se preparar para todos os tipos de desafios, traçando estratégias para o crescimento da empresa ou para reverter situações negativas.
  2. Precificação: reduzir drasticamente os preços para vender mais ou aumentá-los demais para cobrir despesas adicionais da empresa não são aconselháveis, pois neste caso é importante avaliar os preços cobrados e levar em consideração a concorrência, as mudanças do mercado e o novo planejamento da empresa.
  3. Determinar metas a serem alcançadas: motivar os funcionários e estimular sua empresa a aumentar as vendas e a produtividade é um fator importante. No entanto, deve-se ter cautela para estipular metas plausíveis e que animem o time, afinal o momento de turbulência econômica por si só, já é desanimador.
  4. Reduzir desperdícios: realize campanhas e palestras para conscientizar os funcionários em relação ao uso e consumo de itens envolvidos na produção do negócio. Reduzir o consumo pode parecer pouco eficaz, mas causa um grande impacto no balanço das contas.
  5. Ter uma equipe qualificada: tenha uma equipe preparada para mudanças e que acompanhe a necessidade de crescimento da empresa. É preciso que os funcionários estejam sempre prontos para os novos desafios e não se preocupem apenas em realizar suas tarefas minimamente.

Conhece o Meepe Networking? Ter bons relacionamentos com seus colaboradores faz diferença no negócio, assim como ter uma rede de contatos, que te possibilita divulgar melhor o seu trabalho e atender mais clientes. O Meepe Networking tem como objetivo aproximar e criar negócios a partir de relacionamento entre empresários e autônomos.

Quer saber mais? Continue navegando pela nossa página.

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br

Posts recentes

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

no responses