junho 4, 2018

Feedback no ambiente empresarial: saiba a importância dessa prática

Feedback no ambiente empresarial: saiba a importância dessa prática

Como em todo ambiente de trabalho, sempre temos que dar satisfação das coisas que fazemos. Pois estamos lidando com o outro. No entanto, nem sempre esse processo é fácil. Nem todas as pessoas sabem dar um feedback. Seja ele positivo ou negativo.

O Feedback no local de trabalho é um ato que tem o intuito de dar um retorno para o colaborador sobre o seu desempenho. É uma maneira de aprimorar as habilidades dos colaboradores, encorajar a solucionar possíveis problemas. Mas, para que isso aconteça de maneira eficaz, é preciso que seja feito da forma correta.

Segundo um estudo global do Top Employers Institute, realizado com mais de 600 empresas em 99 países, o feedback é considerado pelos profissionais como a melhor prática para medir desempenho. Entre os entrevistados, a maioria afirmou que prefere os processos mais transparentes de estabelecimento de metas e retornos com maior frequência dentro dos processos de avaliação, em comparação às tradicionais revisões anuais de desempenho.

Mas, apesar da importância dessa prática, que todos terão que enfrentar independentemente da carreira, ninguém aprende isso na faculdade. Por esse motivo, são poucas as pessoas que sabem criticar ou fazer elogios de forma eficiente.  Grande parte das pessoas falam do desempenho alheio de forma equivocada. O que pode gerar raiva e ressentimento no outro indivíduo. E é claro, fica muito difícil ter a mudança de comportamento desejada.

Para João Marcelo Furlan, CEO da consultoria Enora Leaders, além da falta de aulas na escola sobre comunicação e relacionamento, as características individuais também têm relevância nesse tipo de conversa.

 

“Quando a pessoa tem baixa inteligência emocional, ela terá muito mais problemas para dar feedback, e também para receber.  Escutar críticas é fundamental para o crescimento de qualquer profissional. Além disso, quem consegue ouvir comentários alheios sobre si de forma tranquila tem mais facilidade para fazer o mesmo com os demais sem machucá-los”.

  

Qual a melhor forma de dar um feedback?

De acordo com o psicoterapeuta Luiz Fernando Garcia, presidente da empresa de treinamento Cogni-MGR, em entrevista para a Exame, um dos erros mais comuns é adotar um tom acusatório no seu comentário. Não se trata de gritar ou usar palavras fortes: basta começar a frase com palavras como “Você foi” ou “Você fez” para involuntariamente ligar um alerta de ameaça na cabeça do outro.

Por exemplo, ao invés de falar para o seu colega de trabalho “você me desrespeitou”, fale ” eu me senti desrespeitado”, explica o psicoterapeuta. Tudo isso porque quando trazemos para nós a responsabilidade por aquela sensação, a outra pessoa se sente aliviada e acaba tendo uma postura menos defensiva.

Ainda segundo Luiz, outro erro recorrente é fazer suposições com tom de verdade. É aconselhável utilizar frases com tom hipotético, tais como “me ocorreram vários pensamentos, como…”. “Esse tipo de afirmação, sem julgamento prévio, ajuda a desarmar o outro. Você evita que o indivíduo seja controlado pela atividade cerebral das amígdalas, responsáveis por desencadear reações emocionais”.

Mas, um dos erros mais graves, é o feedback em tom genérico. Frases pouco específicas e vagas, como “o problema é esse seu jeito”, podem envenenar qualquer relação profissional por tempo indeterminado.

 

“O feedback tem que ser específico, concreto, claro, simples, em tom de narração”, diz o psicoterapeuta. “Algo como: Na quinta-feira, por volta das 9h da manhã, nós nos encontramos no corredor e você me disse que entregaria o relatório do mês por volta do meio-dia, que não chegou ao meu e-mail nesse horário. Às 14h, não encontrei mais você, e precisei me apresentar diante da diretoria sem o relatório”.

 

Ainda mais se a atitude é recorrente. Como o colaborador vai melhorar o seu comportamento? Segundo Garcia, uma das ações é começar “a enumerar situações, aquele relatório que faltou em abril, aquele projeto em maio, a apresentação de junho, e por aí vai”, explica. Traga sempre situações pontuais, particulares, mesmo que elas apontem para uma situação que teoricamente poderia ser generalizada.

Ou seja, são detalhes que fazem toda a diferença. Uma outra dica é iniciar uma conversa falando de algo positivo do funcionário para depois falar o ponto negativo e após finalizar com o elogio.

O que não pode é não saber se comunicar e deixar os problemas pequenos crescerem.


Gostou do nosso artigo? Quer saber mais sobre o mundo das empresas?

Continue acompanhando a nossa página! E venha tomar um café conosco!

Entre em contato e conheça mais do nosso grupo!

contato@meepe.com.br

Posts recentes

Entre em contato e saiba como participar da Meepe Networking contato@meepe.com.br ou preencha abaixo:

Dicas e Guias # , , , ,
Share: / / /

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *